Lição do show da Xuxa

Atualizado: 30 de set. de 2020

A maioria de vocês deve lembrar do Show da Xuxa. No programa, a Xuxa contava com a ajuda de um personagem chamado “Praga”, fantasiado de alguma coisa que até hoje é confuso para mim, não sei se era uma tartaruga ou uma joaninha verde. A certeza é que era um anão fantasiado.


Sim, mas qual a relação disso com agricultura e o texto de hoje? Simples. O programa, sem querer ou querendo (lembrou do Chaves, não foi?), nos faz refletir que é possível conviver com pragas em nossos ambientes, inclusive o rural.

Praga, na agricultura, é qualquer ser vivo (fungo, bactéria, vírus, inseto, planta – sim, planta) que cause prejuízo econômico no que está se cultivando, ou seja, esteja “comendo” ou dificultando a produção no nível que não se tem como ter lucro com o que se colhe.


Mas quando uma praga surge, a cultura do imediatismo implantada na nossa mente, e o querer que não exista mais “pragas” no cultivo, nos leva a usar agrotóxicos e outras alternativas, muitas vezes desnecessárias, para eliminar o agente do prejuízo.

Mas calma, podemos, assim como a Xuxa, conviver com uma praga, ou até mais de uma, principalmente em hortas de fundo de quintal, utilizando produtos de nossa cozinha. Veremos alguns controles que podemos fazer de algumas pragas facilmente em nossa horta.


Pulgões e cochonilhas

Como o próprio nome diz, são insetos bem parecidos com os que tiram a paciência de nossos animais de estimação, porém bem maiores. Se concentram no topo das brotações novas, no caule e nas folhas, causam um engilhamento das folhas (lembra dos dedos depois da piscina?), impedem o crescimento da planta e diminuem a produção da mesma.

O tratamento é muito simples, basta misturar detergente neutro (o amarelo de lavar prato) com água, na proporção de 2% até 5%.

Pegue um borrifador, aproveite um de desengordurante ou compre um novo, são baratos. Geralmente cabem neles 500ml de produto. Basta misturar a esse volume 1ml a 2,5ml do detergente (use uma seringa para não errar). Parece nada, mas essa quantidade já resolve o problema e não intoxica a planta. Faça pela manhã cedo, aplicando somente nos locais que tenham os insetos. O objetivo é acabar com a camada de cera natural dos insetos, expondo eles aos raios solares e matando-os por ressecamento.


Lagartas

Pra elas não precisa de Mister “M”. Locais pequenos basta coletar elas e enterrar. Sempre faça uma vistoria nas folhas atrás de ovos (geralmente são minúsculos, brancos e espalhados) faça a mesma coisa, retire as folhas com eles e enterre.


Caramujos

Pense num bicho cachaceiro. Adora uma cerveja. Com isso, aproveite e disfarce a armadilha no meio do terreno do “tira-gosto” como na foto. Não precisa ser igual, uma cerveja barata, um copo de plástico cortado e um pouco de sal na cerveja já tá garantida a ressaca do bicho. Outra forma é deixar um pano úmido com cerveja a tardinha em um local próximo às plantas. Na manhã seguinte é só recolher os embriagados e enterrar.

Com isso sua produção será sustentável e você irá conviver na plena harmonia que devemos preservar em qualquer sociedade.


*Paulo Melo Segundo é engenheiro agrônomo pela UFRPE, Fiscal Estadual Agropecuário na Adapi e escritor agrodivertido, criando assim o Segundo Agro, um portal de informação simples, direta e humorada.

4 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo